Montevideu, geral

Chegando

A chegada a Montevideu é pelo Aeroporto de Carrasco . Nas primeiras viagens, era um lugar bem simples – mas há alguns anos o pessoal fez uma reforma que deixou ele bastante bonito.

Aeroporto de Carrasco

Aeroporto de Carrasco

Assim como em vários lugares, o aeroporto daqui é bem longe, levando uns bons 40 minutos para cima para chegar até o centro histórico. A melhor maneira de sair dali é ter contratado antecipadamente um ‘remise’ para buscar, com uma das diversas agências de turismo de Montevideu, como a Jetmar ou o próprio serviço oficial do aeroporto. Também tem vários táxis saindo de lá. Até a cidade velha fica em pouco mais de R$ 100,00 – então prepare o bolso!

Também dá para ir de ônibus de linha, já que passam por lá.

Dinheiro

A moeda é o peso uruguaio, mas lá aceitam reais e dólares em todo lugar. Inclusive, você pode dar dinheiro em real e pedir troco em pesos (com a cotação não tão boa, mas…). A cotação em Outubro de 2013 era de 1 real = 9 pesos. Para trocar, há muitas casas de câmbio na 18 de Julio – uma a cada duas ou três quadras, mais ou menos

Cartão dá para usar o de crédito em todo lugar, mas não é sempre que aceitam débito – como agora o imposto é o mesmo para os 2, vá no crédito mesmo ;)

Hospedagem

Como sempre fui a trabalho, esta parte acaba ficando pela empresa e por isto não tenho como opinar muito, mas…ali na Ciudad Vieja, quem puder vale muito a pena o tradicional Radisson  (o taxista pode conhecer como Victoria Plaza). O Radisson fica bem em frente a Plaza Independencia e por fora é muito feio – mas por dentro compensa bem.

Hall do Radisson

Hall do Radisson

Tem uma piscina bastante grande e bonita, mas o destaque total é a vista do restaurante, que fica no vigésimo quinto andar. O café da manhã também é ótimo. Além de tudo, tem o Casino no próprio hotel. Meio caro, mas quem puder, vale o investimento.

Vista do restaurante do hotel

Vista do restaurante do hotel

Imagem 004

Mas nos últimos anos tenho ficado do lado, no Holiday Inn. Bom café da manhã, uma piscina mais básica mas aquecida e uma internet bastante decente, incluída na diária. Eu gosto bastante, especialmente pela localização – só não é o 4 estrelas que anunciam. Para outros hotéis no centro e também em Pocitos, vá ao Viaje na Viagem.

Já os mais baratos, só conheci o Che Lagarto, que fica na Plaza Independencia. Fui lá somente ajudar uma colega com as malas – achei tudo muito escuro e bem caído, e ela não gostou muito também não. Mas não é nada que fuja da média dos hostels e albergues que já peguei em outras paradas por ai ;)

Pelo que li, quase todo hostel em MVD fica nuns casarões antigos e por isto podem ser um pouco escuros e com barulho na madeira. Para mais opções, o Mochileiros é a melhor pedida.

Alimentação

Já falei do que comer neste post - agora é o onde. Primeiro tem que ir no Porto – já foi? Então na Peatonal Sarandi há outras opções, todas servindo uma boa carne. Gosto muito do La Corte - é um lugar bem bonito, com boa comida, mas só serve almoço.

Aliás, durante a noite quase tudo é fechado por ali, então no geral acabo no Don Peperone (que na verdade é uma cadeia de restaurantes). Ele vale para almoçar, comer um chivito ou uma pizza de noite. Um pouco mais prá frente no calçadão você encontra outras coisa – mesmo McDonalds ou Burger King.

Outra cadeia bastante forte é o La Pasiva Tem vários, com um subindo a 18 de Julio e outro na própria Sarandí, que também costuma abrir de noite. É  bom e barato – e no caso deles, tem um tal de Chivito Canadiense al plato que dá para 2 ou 3 comerem tranquilamente.

Em todo lugar, do mais simples ao mais chique, uma coisa é infalível: o serviço é demorado. Demora para você conseguir fazer o pedido, receber o prato, pedir a conta…enfim: tudo é demorado e por isto vá com algum tempo nas refeições.

Compras

Para os viciados, a má noticia: o Uruguai regula com o Brasil nos preços. Quem costuma comprar, fala que o preço de coisas de couro são muito mais baratas por lá do que aqui – mas fora isto, aproveite para passear mesmo. Ou vá dar uma volta no Bonito shopping de Punta Carretas.

Shopping Punta Carretas

Shopping Punta Carretas

Balada

Não sou muito de balada, mas depois de tanto tempo indo prá lá a gente acaba conhecendo alguma coisa, especialmente acompanhando a brasileirada.

Balada só começa na quinta-feira. Em todo lugar que se vai, de Domingo até Quarta você pode ser dos únicos presentes no lugar – exceto por alguns outros turistas perdidos. Além disto, o pessoal costuma sair bem tarde. Lá pela meia-noite começam a se arrumar e pelas 2 da matina é que os lugares estão realmente cheios…

Ali no centro tem 2 lugares que vivem cheios: na segunda ou terceira rua perpedincular ao calçadão Sarandi, tem El Pony Pisador, com boa música e um clima bem divertido.

E o mais turístico e muuuito mais famoso, o Bar FunFun. Este é um lugar pequeno e que sempre tem show de tango, além de viver lotado de turistas (brasileiros em particular). Por incrível que pareça, fui ali pela primeira vez agora em 2013 – e gostei bastante, mesmo sendo um tanto apertado demais para a quantidade de pessoas que recebe. Ouvi falar que fecharam para reforma, mas se estiver aberto, vale conhecer. É o numero 1 no Trip Advisor

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Fun Fun

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Para mais opções, de quem conhece do assunto, clique aqui.

Aplicativos

Recomendo muito alguns apps de clientes nossos que podem ser uma mão na roda quando no Uruguai – todos feitos com GeneXus, claro – e todos disponíveis para iOS e Android:

Artur MVD - é um guia turístico de Montevideu, porém com bastante coisa bem interessante, especialmente a tela de Realidade Aumentada. Outra legal é você tirar foto do lugar que está e se for alguma coisa turística, receberá informações sobre o que é.

GxBus - Guia de itinerário de ônibus pela cidade.

Donde está el cajero - Se estiver precisando de dinheiro mas não encontra um caixa eletrônico, este trás uma lista dos caixas mais próximo, também mostrando em mapa

Cartelera - Deu vontade de ir ao cinema? Aqui tem toda a programação das salas da cidade.

GuiderMVD - Guia de serviços da cidade

Terminando

Muita gente diz que Montevideu é uma ‘pequena Buenos Aires’ e realmente as diversas construções históricas trazem semelhanças. Mas a verdade é que a rivalidade Uruguai X Argentina consegue ser ainda mais forte do que a nossa com os argentinos, então é melhor parar com as comparações ;)

Mvd é uma cidade menor, que tem menos apelo turístico, mas tem um grande charme e os uruguais são todos extremamente simpáticos. Vale a pena passar um feriado prolongado que seja na cidade, tirando 1 dia para Punta e outro para Colonia – mas é melhor ainda se tiver mais tempo.

Montevideu, parte 2

18 de Julio e Feira de Tristán Narvaja

Partindo da Plaza Independencia, no sentido contrário do calçadão, damos na 18 de Julio, a principal avenida do país. Se estiver hospedado por ali vale uma caminhada pela avenida, pelo menos as primeiras quadras- se estiver mais longe, aproveite os calçadões na praia que são muito mais divertidos.

O que tem é um tanto de comércio (que na verdade não tem muita coisa que valha comprar), e é ótimo para trocar dinheiro, visto que há casas de câmbio em toda esquina, mas para visitar, o que vale ali são suas praças. Costumo tirar fotos na Plaza del Entrevero, ou Plaza Fabini.

Inicio da 18 de Julio

Inicio da 18 de Julio

Plaza Fabini - 2005

Plaza Fabini – 2005

Subindo um pouco mais, chegamos na Plaza de Cagancha (sim, é este o nome…), uma praça bem arborizada, mas um pouco menos interessante. Esta é o máximo que já fui a pé… .

Plaza Cagancha

Plaza Cagancha

Quem vai de Domingo, pode aproveitar a Feira Tristán Narvaja que fica justamente seguindo em frente pela 18 de Julio – ainda que parece meio longe, então vale pegar um táxi. Eu nunca fui nesta feira, que muita gente adora e outros odeiam. Vale ler o relato que linkei e também o Trip Advisor. Achava que ia ser no estilo Feira de San Telmo, de Buenos Aires (esta sim, uma delícia.. pelo menos em 2008), mas acho que está meio longe disto.

Pocito e as Ramblas

Ramblas são os enormes calçadões que circundam praticamente toda a orla da cidade. Especialmente nos fins de semana, muita gente aproveita para caminhar por ali e a paisagem sempre é bonita. Durante a noite, sempre dá para encontrar rodinhas de gente compartilhando o Mate (bebida nacional, parece o chimarrão brasileiro ). Nas primeiras vezes que fui para lá, sempre saía dar umas voltas no calçadão de noite – em Setembro é um tanto frio e ver aquelas rodinhas com o povo tomando mate é até meio estranho no começo, mas depois a gente acostuma e é curioso…

Pocitos é dos bairros mais bonitos da cidade, onde ficam muitos dos hotéis que o pessoal costuma ir e também diversos restaurantes. Além do mais, a orla ali é particularmente bonita. Fiquei hospedado ali somente em 2003, num mês de Março, que foi quando aproveitei também meu único banho de Rio (ali parece mar, mas é rio mesmo), já que estava bastante calor. Lembro que a água era beeeem gelada, mas a gente sempre se acostuma.

Pocitos, num sábado de 2003

Pocitos, num sábado de 2003

Pocitos

Pocitos

Se não der tempo para ir para Pocitos ou outro lugar, uma caminhada pelas ramblas perto do porto já vale a pena. Encontrei um texto legal sobre a região aqui.

Cerro Montevideo

Tinha ouvido alguns mochileiros falarem, mas só lá e ninguém mais fala do Cerro e sua Fortaleza. Acabou que levei 6 anos para finalmente conhecê-lo – principalmente porque antes disto eu sempre voltava na quarta-feira para casa. O problema é que ele fica bem afastado. Fui somente 1 vez, em um grupo de um city-tour  e foi curioso a gente passando por um bairro claramente mais pobre, mas não tão pobre assim, quando o guia comenta que é a região mais pobre da cidade. Se é eu não sei, mas sei que é muito melhor que vários bairros bem decentes de São Paulo…

Enfim: o cerro fica meio distante e é um tanto isolado, e dizem ser um pouco propenso a batedor de carteira,  por isto só se recomenda ir até lá com um city tour ou de táxi. Então porque ir? É o lugar mais alto da cidade (menos de 400 metros) e a vista de lá é muito, muito bonita. Só a vista já faz valer o passeio.

Cerro Montevideu

Cerro Montevideu

DSCN7406 DSCN7399 DSCN7397

A cidade vista do alto

A cidade vista do alto

Há outro mirador na cidade, o Mirador Panorâmico, que não conheço ainda… quem sabe este ano ;)

Parque Rodó

O Parque Rodo é um parque de diversões perto da praia. Nunca fui, mas muita gente coloca com o lugar mais legal da cidade para passear e para admirar a paisagem. Vale ver este outro site para mais opiniões – até tive vontade de conhecer, mas nunca fui atrás.

City Tour

Falei em city tour… creio que em Montevideu só vale se tiver muito apertado. Eu fiz 1 vez quando a Mima foi lá, porque a gente ia ter só 1 dia e ainda estava meio feio – além do mais, eu queria conhecer o Cerro.

O tour dá uma parada na Plaza Independencia, sobe a 18 de Julio até o Estádio Centenario (outro lugar que ainda preciso conhecer por dentro) vai para alguns bairros mais chiques, para ver o lado bonito da cidade, passa pelas praias, e vai até o cerro, terminando no porto.

Estadio Centenario

Estadio Centenario

Estádio Centenario

Estádio Centenario

Como falei, bom para quem tem tempo e na época custou barato… mas quem for ficar somente no centro, ou topar ver um táxi para o dia, dá para fazer tudo até mais tranquilamente.

No próximo, um pouco sobre hospedagem, comida, dinheiro…. coisas mais práticas mesmo. Saludos,

Montevideu, parte 1

De volta das festas, da mudança de ano e energia renovada para retomar este tão abandonado blog…

É muito diferente viajar a trabalho e viajar como turista. A trabalho, mesmo depois de ir várias vezes, ainda há lugares que como turista eu teria visto na primeira viagem. Mas, mesmo não tendo ido a todo lugar turístico da cidade, acho que posso falar um tantinho sobre a capital uruguaia.

Centro histórico

Comecemos pela Ciudad Vieja, principal ponto da cidade e lugar onde se concentram diversos dos lugares que merecem ser visitados. Tudo centralizado na Plaza IndependenciaA Praça Independencia vale por si só uma caminhada, visto que é muito bonita, sempre muito bem cuidada. 

No meio da Praça tem a estátua ao General Artigas, que gera uma piada que ouço há 10 anos: “O que tem debaixo do cavalo?” Por causa disto, de vez em quando a gente acha uns turistas perdidos olhando fixamente o cavalo para ver o que tem de tão especial ;)

Na verdade, ali fica o Memorial Artigas - José Artigas foi o principal herói uruguaio na conquista de sua independencia, por isto a estátua do general e abaixo dela este mausoléu com seus restos mortais. Vale a pena descer e conhecê-lo – o mausoléu é bastante bonito e tem uma atmosfera de respeito muito grande, sempre com guardas.

Memorial Artigas,

Estátua de José Artigas

Memorial a Artigas 2011

Memorial a Artigas 2011

Memorial Artigas

Memorial Artigas

Voltando do mausoléu, nos arredores da Praça há alguns edifícios que valem ser olhados/conhecidos:

Plaza Independencia e Palacio Salvo, 2013

Plaza Independencia e Palacio Salvo, 2013

Primeiro e mais importante, o Palácio Salvo bem na esquina da 18 de Julio. Este foi por alguns anos a torre mais alta da América do Sul. É muito bonito e devo ter dezenas de fotos dele com a Praça – pena que ainda não descobri como conhecê-lo por dentro. Deve ser uma bela vista lá de cima.

À direita de quem olha para o Palacio Salvo, fica o Palacio Estevez(hoje conhecido como Edificio Artigas). Este bonito palácio foi construído em 1873, foi sede do governo por várias décadas e hoje abriga o Museo Casa de Gubierno  que eu não conheço – mas por fora é bonito, inclusive de noite.

Palacio Estevez, 2007

Palacio Estevez, 2007

Teatro Solis

Seguido no mesmo lado do Palacio Estevez, na quadra seguinte, o Teatro Solis. Foi inaugurado em 1856 e passou por uma grande reforma há pouco tempo. Não conhecia antes, mas está muito bonito. Tanto por fora, quando principalmente por dentro. Vale ver no Trip Advisor os comentários. Quem puder, veja uma peça, mas se não puder vale participar de uma visita guiada.

Já fiz este tour 2 vezes e em ambas gostei bastante. É uma visita bastante barata, e pode ser feita também em ingles ou portugues. Se for em espanhol sai 20 pesos(2 reais), já em outro idioma sai mais caro (5 reais). No site oficial tem os horários e valores – cuidado que quando tem apresentação, as visitas terminam mais cedo. Nas 2 vezes que fui era sábado e a visita foi tranquila, fácil achar vaga.

A visita dura em média 1 hora e conhecemos um pouco da história do teatro, vamos até o palco, vemos um pouco de figurinos…enfim, vale muito a visita e é muito barata, o que faz valer mais ainda.

Teatro Solis

Teatro Solis

Teatro Solis, 2011

Teatro Solis, 2011

Teatro Solis, 2011

Teatro Solis, 2011

Peatonal Sarandí

Voltando para a Plaza, fácil de reconhecer é a Puerta de la Ciudadela. Até 1829 Montevideu ainda era rodeada por muralhas para defender em guerras. Hoje, o ponto que sobrou daquela época é este pequeno portal que fica bem na entrada da Plaza para quem vem do calçadão Sarandi. Ela foi construída em 1742 e devo ter pelo menos 1 foto por ano do portal – de dia ou de noite (aliás: de noite é até mais interessante, com o calçadão todo vazio e a iluminação da porta).

Pelas fotos dá para acompanhar mesmo a evolução das máquinas, desde a primeira, ainda em máquina de filme, até a mais atual, que mesmo de noite fica decente.

Puerta de la ciudadela, 2004

Puerta de la ciudadela, 2004

Puerta de la ciudadela, 2009

Puerta de la ciudadela, 2009

Puerta de la Ciudadela 2011

Puerta de la Ciudadela 2011

Seguindo pela Peatonal Sarandi temos vários ambulantes vendendo chapéus de lã e também de couro, as cuias para mate, desenhos e um monte de coisa que pode ser bem legal dar uma olhada. Também por ali encontramos vários bons cafés e restaurantes (mas só ficar somente 1 dia, deixe para comer no porto), além uma sorveteria Fredo(para lembrar da Argentina) – mesmo no frio, prove os sorvetes de dulce de leche.

Ainda no começo do calçadão há o Museo Torres Garcia que eu não conheço, mas colegas meus falaram que é muito bom. Seguindo pela peatonal, chegamos na Plaza de la Constituicion e a Catedral de Montevideo. Já andei inúmeras vezes pela praça, mas só entrei 1 vez na catedral – que é muito bonita e vale a visita, se tiver tempo.

Caminhando pela Sarandi

Caminhando pela Sarandi

Se seguir até o final da Sarandi, você chegará ao Porto – mas a caminhada, apesar de curta, não é muito bonita e só quando chega no porto mesmo vale a pena, pela passada na Rambla – se estiver afim de caminhar, vá com gosto – mas também pode pegar um táxi tranquilamente.

Peatonal Sarandi em domingo de chuva

Peatonal Sarandi em domingo de chuva

Final da peatonal Sarandi

Final da peatonal Sarandi

Mercado del Puerto

Perto do centro histórico, dá para ir a pé, mas táxi é muito barato. É O lugar para se comer pelo menos 1 vez no Uruguai e perfeito para ir logo após esta caminhada toda que fizemos.Todo ano, pelo menos 1 vez todo mundo quer ir no porto.

Durante o almoço é bem mais animado… entre e veja como é feito o churrasco uruguaio, escolha qualquer lugar (em 8 anos que fui lá, ainda não sei o nome de nenhum dos restaurantes, já que cada vez vamos para um lado) e coma bem, independente de onde escolher. Só tenha paciência, que as vezes pode demorar um pouco.

Para comer, eu gosto do Entrecôte e do Lomo, mas agora até Picaña o pessoal está servido (e sim, é basicamente a nossa picanha brasileira, que começaram a servir nos últimos anos).

Mercado del Puerto 2007

Mercado del Puerto 2007

Também pode valer para provar a parrillada uruguaia – eu não me arrisco muito porque tem uns pedaços de carne ali que não me apetecem, mas para os estômagos mais fortes, é a pedida certa!

Churrasco uruguaio

Churrasco uruguaio

Mercado del Puerto

Mercado del Puerto

Durante a noite só alguns restaurantes do lado de fora ficam abertos e o lugar não parece tão seguro assim. Pelo menos o atendimento é praticamente vip, já que estará sozinho ou com pouca gente.

Terminando de almoçar, o Museu do Carnaval é um museu bem pequeno e bem baratinho que vale uns 30 minutos de visita para conhecer o carnaval urguaio, um tanto diferente do nosso. É pequeno, fica ao lado do mercado e vale a visita, ainda que só estive lá em 2009

Museo del Carnaval

Museo del Carnaval

Museu do Carnaval 2009

Museu do Carnaval 2009

Nesta primeira parte basicamente vimos a parte histórica (e talvez mais turística) da cidade-no proximo, saimos um pouco para ver as praias e outros lugares que vale conhecer.

Punta del Este

Sempre que falamos em Uruguai, logo pensamos em Punta del Este.  É o balneário que tantas vezes aparece em revistas e reportagem com os ‘ricos e famosos’. Entre o Natal e o Carnaval dizem que aquilo fica ultra-mega lotado de gente e de festas…

Minha impressão é diferente: fui 3 vezes a Punta, sempre em Setembro e sempre a cidade estava vazia – e ventando tanto que a gente ia para a praia de blusa. Mas mesmo mais frio e sem muita gente(ou, talvez, por causa disto), gostei bastante do lugar, e aqui vou falar desta Punta mais vazia, uma cidade litorânea muito bonita e tranquila demais.

Chegando

De Montevideu, vá ao Terminal Tres Cruces e pegue o primeiro ônibus que sair. Ou, se estiver de carro, siga em sentido contrário à Colonia. Seja como for, em pouco mais de 2 horas estará na cidade.

As praias

Logo que sai da rodoviária, damos de cara com o ponto mais famoso da cidade: o Monumento los Dedos – ou La Mano, como eu conhecia. São aquelas pontas enormes de uma mão saindo pela areia. Quando fui pela primeira vez, estava toda pichada… mas nem assim tira o gosto de ver a escultura que sai em tantas fotos do país. 2 anos depois, já estava toda pintada, parecendo novinha.

La Mano

La Mano

Praia Brava

Praia Brava

Ali é a Praia Brava, de mar, e dá para seguir caminhando pelo contorno dela em direção ao porto. É uma caminhada bem gostosa e tranquila, só que pode ser longa. Assim, quando fiz esta caminhada fui até um pedaço, pegamos as ruas pela direita e saímos do outro lado, já na parte do Rio, perto ao porto lotado de barquinhos, lanchas e veleiros de todos os tamanhos e variedades. O porto é pequeno e vale passar ali especialmente tentando encontrar leões marinhos.

Fique observando as águas, que sempre aparece algum pelos cantos do lugar. Na última vez que fui lá, encontramos um destes perto de um restaurante. Bicho enorme… mas tranquilo com o monte de gente perto dele.

Porto

Porto

Leão Marinho

Leão Marinho

City Tour

Já falei em algum post por ai que acho que City Tour pode ser uma boa pedida. E quem está sem carro por aqui, Punta é um bom lugar para um city Tour. O melhor é chegar cedo e comprar o passeio para fazer a tarde, que o final é lindo. Na própria rodoviária vende e era um preço bem decente.

Minha primeira vez em Punta foi em 2007 com o Denis, um colega de trabalho, e fizemos o tour. Compramos, fizemos nossa caminhada até o porto e voltamos até a rodoviária pela Calle Gorlero, a rua onde ficam algumas lojas famosas, e que deve fervilhar de gente na alta temporada. O tour começa, claro, passando pelo próprio centro: revisitamos o monumento, passamos pelo porto e na própria Gorlero.

Dali seguimos viagem para a famosa ponte ‘invertida’, uma ponte ao contrário, que passando a mais que 40 km/hora já parece uma montanha russa.

Puente de la Barra

Puente de la Barra

Conhecemos um parque infantil e vamos por um bom tempo em frente a mansões de gente conhecida… na época achei bobo demais, mas anos depois fiz algo parecido em Miami e me diverti, então acho que vai do momento ;)

O tour termina na Casa Pueblo (Hotel Casa Pueblo, para quem lá fica). Ali a gente paga para entrar, e vale a pena. É uma casa meio estranha, parece torta, na beira de um penhasco com uma vista lindíssima para o mar. Tem um pequeno museu ali, mas o que vale é a vista mesmo. E daí algo que poderia parecer brega, mas que ali ficou lindo demais: conforme se aproxima o pôr-do-sol começa a tocar uma música ‘para dar um clima’ até que o sol se ponha. Todo mundo em silêncio, aquele solzão descendo no mar… e de repente ainda passa uma baleia lá embaixo. Inesquecível!!

Hotel Casa Pueblo

Hotel Casa Pueblo

124 - Espetaculo

Detalhe da baleia passando.

Detalhe da baleia passando.

133 - Parece Saturno

Com Denis, que acompanhou nesta viagem

Com Denis, que acompanhou nesta viagem

Dali a van volta para a rodoviária, mas a gente pediu para ficar no Conrad! O famoso cassino que tem até heliporto. Fui lá 3 vezes já e o que realmente gosto é de andar nos lobbys. Especialmente um que precisa descer uma escada rolante, é muito bonito. Quem joga, sem dúvida deve aproveitar para jogar um pouco ali – para mim foi só curiosidade mesmo.

Conrad cassino

Conrad cassino

Com carro

Em 2009 voltei, desta vez com minha esposa. Nesta segunda viagem uma amiga lá do Uruguai se ofereceu para levar a gente e claro que topamos. Foi muito gostoso!

Para começar, chegamos a Casa Pueblo(que na verdade fica em Punta Ballena) e não entramos, mas fomos direto com o carro até o final da estrada que levava ali. A vista da costa é impressionante!

Punta vista do alto

Punta vista do alto

Depois de passear pela cidade, ir ao cassino, ver La Mano (agora pintadas) e ir até o porto (sem leões marinhos desta vez).

Conrad novamente

Conrad novamente

Graciela e Mima

Graciela e Mima

La Mano, agora renovada

La Mano, agora renovada

Pela tarde fomos para uma cidade próxima : José Ignacio, um pequeno balneário ali pertinho que é uma delícia. Como turismo, subi o farol do balneário, para mais uma daquelas vistas deslumbrantes.

Jose Ignacio vista do farol

Jose Ignacio vista do farol

José Ignacio

José Ignacio

Foi um dia maravilhoso, podendo conhecer um pouco mais da região. Obrigado Graciela!!

E na chuva?

Mais 2 anos, agora 2011, e desta vez fui como guia de uma colega aqui do Brasil. Novamente de ônibus, todo mundo a semana inteira preocupado com a chuva prevista, e não deu outra: chuva boa parte do dia.

Chegando na rodoviária, a moça já avisa que não vale a pena fazer o tour. O principal do tour é a Casa Pueblo e com aquele tempo não dava para ver nada. Assim, descobri que Punta com chuva pode ser uma cidade com nada para fazer. Nos poucos tempos de folga da chuva, fizemos o circuito obrigatório: La Mano (já precisando novamente de pintura), caminhada pela praia, indo ao porto. Lá, um bom tempo com alguns leões marinhos e depois subimos a Gorlero.

Com a chuva, parada para uma café e depois táxi para o Conrad (onde encontramos alguns clientes nossos, tão perdidos quanto a gente naquela chuva). Terminando o passeio, pegamos o ônibus de volta a Montevidéu.

Alimentação

Na primeira vez, fomos no “El mundo de la Pizza“, uma cadeia de pizzarias muito boa. A gente escolheu uma meio a meio que valeu muito a pena. Na segunda vez fomos fora um pouco de Punta, num Don Peperone, outra cadeia de restaurantes que eu sempre recomendo no Uruguai, e na terceira vez, como estava chovendo, atravessamos a rua da rodoviária e comemos algo em um restaurante muito bom que fica ali em sempre.

Para quem vai passar o dia, recomendo este em frente a rodoviária, ou simplesmente caminhe pela Calle Gorlero que vai encontrar seu lugar. E quem tiver afim de gastar um pouco mais, perto do porto tinha uns lugares com cara muito boa.

Finalizando

Punta em Setembro é bem vazia e acho que 1 dia de bate-e-volta é mais que suficiente. Porém, se for na época mais cheia e mais ainda: se gostar de balada, acho que vale até alugar carro para aproveitar mais as festas!

Como sempre, acessem o Mochileiros.com e o Viajenaviagem, que tem um post sobre aluguel de carro também. É isto: indo ao Uruguai, passe em Punta del Este, que não irá se arrepender!

Colônia del Sacramento

Colônia del Sacramento é a terceira cidade mais conhecida do Uruguai. Foi uma colônia portuguesa no meio da américa espanhola, e até hoje guarda toda uma parte histórica para lembrar disto. Fui a Colônia 1 única vez…

Em 2008, depois de 2 semanas pela Patagônia, tínhamos 4 dias em Buenos Aires, cidade que havia conhecido em 2007. Assim, aproveitamos 1 dia para fazer este bate-e-volta uruguaio que foi uma delícia.

Chegando

A partir de Buenos Aires o melhor é seguir de barco. Há 5 anos só conhecia o Buquebus, com um barco mais lento de 3 horas e outro de 1 hora. Fui até o porto 1 dia antes para comprar as passagens e além das passagens ‘comuns’, havia algumas promocionais de ida e volta no mesmo dia, ou ida e volta + city tour, coisas assim… fiquei com as passagens somente. Como iremos cruzar fronteiras, é necessário fazer checkin e verificação de documento tanto em Buenos Aires quanto em Colônia.

Entrando no site, o preço é bastante parecido entre os 2 barcos, então mais um motivo para pegar o de 1 hora. O único ponto negativo: na volta a gente pegou um mar um pouco forte, então dava uns solavancos pesados…

Por último: se o preço parecer muito caro, agora já há outros barcos que fazem o mesmo trajeto. Vale acessar aqui e aqui para buscar mais informações.

Skyline de Buenos Aires

Skyline de Buenos Aires

De Montevidéu: Quem está de carro, fica a 2h30 mais ou menos. Já quem precisar, tem um monte de ônibus no Terminal Tres cruces (pegue táxi para chegar até lá… é barato)

Muita, mas muita gente faz de Colônia um pit-stop. Quero dizer: a pessoa está em Buenos Aires e vai para Montevideu (ou Mvd para Buenos Aires). No caminho, fica algumas horas para conhecer Colônia. Para quem vai fazer este percurso, recomendo sem pensar 2 vezes – é muito melhor do que pegar o barco de 3 horas entre MVD e Buenos Aires diretamente.

Comendo

Dentro do centro histórico tem vários lugares com cara boa e preço até razoável – mas acabamos comendo um chivito na Av. General Flores antes mesmo de chegar ao centro histórico… de qualquer jeito, opção é o que não falta.

 Passeando

Quem vai a Colônia vai pelo seu Centro Histórico, que dizem lembrar muito Paraty (que ainda não conheço). Saindo do porto, é uma caminhada rápida: suba até a Calle Manuel Lobo ou Av. General Flores e vire a esquerda, que em poucas quadras chega-se lá.

A entrada é uma muralha do que já foi um forte. Lá dentro há um monte de ruazinhas pequenas de paralelepípedos e diversos museus. A rua mais conhecida é a Calle de los Suspiros – seu nome romântico engana bem: histórias dizem que a rua abrigada muitos bordéus, enquanto outras que eram os suspiros dos condenados a morte, que ali eram punidos.

Entrando em Colonia

Entrando em Colônia

Muralha da cidade

Muralha da cidade

Calle de los Suspiros

Calle de los Suspiros

No primeiro museu você pode comprar entrada para todos eles – sempre tem 1 ou 2 fechados naquele dia. São todos bem pequeninos, mas que valem a visita.

Patagonia2 126

Museu portugues

Museu portugues

Patagonia2 156

Outro ponto alto(literalmente) é o farol: dá para subir até lá e ter uma vista linda da região.

Patagonia2 131

Alto do Farola

Alto do Farol

Patagonia2 136

Mapa da Cidade

Mapa da Cidade, 1762

Depois de ter caminhado pelo lugar, visto os museus e cansado de tanta história, vale descansar um pouco perto da praia.

Patagonia2 164

Porto de Colonia

Porto de Colônia

E claro, vale visitar este post e este também.

Nós chegamos pela manhã, ficamos umas 4 ou 5 horas e voltamos a tarde. Acho que foi o suficiente para conhecer e aproveitar bastante – mas muita gente acha encantadora a noite de Colônia… as luzes no centro histórico, dizem que ficam lindas. Acho que se tiver tempo, vale encarar.

Para nós, Colônia foi uma cidade gracinha que valeu demais a visita – e que sempre quis voltar desde então.

Porto de Colonia

Porto de Colônia

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 613 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: