Dia 1- Tower of London

Sempre falo que a preparação é algo extremamente importante. Quando fiz nosso roteiro em vários lugares falava para consultar antes, por causa dos jogos olímpicos. Pois bem: primeiro dia íamos fazer passeio de barco até Greenwich, para começar leve – acessei o site e o parque estaria fechado ainda… (as competições de hipismo foram por ali). Nada demais, mudamos o roteiro para a Tower of London.

Torre de Londres

Como li que havia filas imensas por ali, chegamos pouco depois do horário de abertura, e o lugar estava vazio! Sem fila em lugar nenhum – depois vim a saber que por causa das Olimpíadas, houve foi diminuição de turismo em Londres, e não aumento(precisamos ficar preparados para isto no Rio), e mais ainda: chegamos no dia de encerramento dos Jogos, então na segunda muita gente já tinha ido embora. Ueba!!

A Tower of London já foi muita coisa diferente(a começar por um palácio), mas ficou mais conhecida por ser onde os reis britânicos encarceravam (e torturavam, e matavam…) seus desafetos – particularmente os Tudor gostavam bastante disto…

Fomos para a entrada e já começamos a seguir um tour dos Yeoman, os guardas da Torre que moram por ali mesmo, e é um dos considerados imperdíveis (aliás: top ten para fazer na Torre de Londres) Considero meu inglês razoável – consigo conversar bem com americanos, cansei de assistir filmes sem legendas e coisas assim, mas o inglês do cara era inintendível – e num lugar aberto, ficou pior ainda. O tour dura 1 hora, mas em uns 15 minutos a gente desistiu e foi por conta própria -ali tem que ter um inglês britânico muito bom para entender 😉

Yeoman – os guardas da Rainha

Primeira parada: Traitor´s Gate, lugar por onde muita gente entrou nesta que foi sua última morada. Ao ver ali, só lembrava de “The Tudors” e Ana Bolena e mais um monte de gente entrando por ali… também o filme Elizabeth me veio a memória, já que a própria chegou a entrar por ali, quando passou um tempo presa.

Traitor´s Gate – Portão dos traidores

Dali subimos um pouco até a Bloody Tower – que ganhou este nome graças a morte de uma princesa, morte que nunca foi resolvida. Como tem uma escada bem apertada, deixamos o carrinho da Isabeli sozinho pela primeira vez e subimos com ela no colo. Interessante ver o lugar, e bom voltar e encontrar o carrinho no mesmo lugar também. Ali é interessante para conhecer os últimos aposentos de Sir Walter Raleigh.

Isabeli querendo fugir da Torre Sangrenta

Ao lado fica a Tower Green, onde perto fica o lugar onde eram as decapitações. Mais uma vez, a mais famosa foi Ana Bolena, mas muita gente que ficou conhecida perdeu ali sua cabeça, normalmente ligada a Henrique VIII ou os Tudors(Jane Grey, Catherine Howard…), enquanto a plebe fazia farra acompanhando… para lembrar algo tão macabro, acabou sendo criado um símbolo até bem bonito.

Lembrando os decapitados

A Torre Branca

O prédio mais antigo do lugar é a White Tower, que começou a ser construida em 1078 (o Brasil seria ‘descoberto’ 500 anos depois e os caras já tinha torre e todo um sistema político). A Torre guarda hoje a coleção das Armas reais, com armaduras usadas desde William, o Conquistador, além de diversas armas, uniforme de combate, presentes ganhos de outras nações, e muita coisa interessante.

Em frente a Torre, ficam as Jóias da Coroa. É de longe o lugar mais cheio do complexo e sem dúvida vale muito a pena. Ali fica a Coroa Imperial (usada pela rainha na abertura do parlamento), vários cetros e uma quantidade razoável de coisas. As jóias forradas de diamantes estavam em exibição em Buckingham (fomos depois), para o especial do Jubileu da rainha, mas tudo que era dourado esta ali. Por exemplo a colher da coroação, que serve para aspergir o azeite na cabeça do novo rei/rainha, e que já possui 800 anos.

Não dá para ir na White Tower com o carrinho de bebê, e há um lugar específico para deixá-lo antes da entrada. A gente ficou meio preocupado, mas vimos as 2 torres, trocamos ela e só depois de umas 2 horas lembramos do carrinho… que estava lá esperando a gente tranquilamente 🙂

Na Esquerda, Jóias da coroa; a direita: Torre Branca

Armas de Rei James III e IV

Muralha

Ao redor da Tower há também uma muralha, que dá para andar nela, passando por várias salas com algum tema relacionado a torre. O problema: subimos com o carrinho, e foi um erro gigantesco – imaginava que era só a escadaria do início, mas durante toda a muralha tem escadinhas pequenas e difíceis de passar, e depois que inicia, para sair da muralha é uma boa caminhada. Lá em cima é até interessante, mas esperava uma vista bonita dos arredores, o que não  tem. Assim, mesmo que não tenha carrinho ou nada assim, só vale subir se já tiver visto tudo o que queria.

Com bebê

Para trocar: Atrás da torre onde ficam as jóias, tem um banheiro infantil, que fica dentro do feminino. O problema foi quando estávamos longe… aí foi em banquinho mesmo – por sorte há muitos banquinhos e alguns bem discretos, então foi tranquilo.

Qualquer hora é hora, qualquer lugar é lugar…

Com carrinho: toda a região é cheia de paralelepípedos, então é meio complicado controlar o carrinho mas, apesar de parecer tremendamente desconfortável, a Isabeli ficou tranquila andando por aquele caminho turbulento dentro do carrinho… na verdade, acho até que ele gostou do pula-pula 😉

Carrinho só não pode ir na White Tower – e eles tem razão nisso: para sair dali tem uma escadaria enorme, que seria dificil com algo grande como um carrinho. Aproveite e deixe ali mesmo o carrinho para conhecer a parte da jóia da coroa. Em Bloody Tower até dá para subir com tudo, pois é pouca escada, mas acho que é mais fácil deixar do lado de fora; a muralha já disse: não acho que vale sequer subir, imagine com carrinho – mas se quiser conhecer, deixe o carrinho no ‘guardador’ na Torre Branca ou em algum lugar qualquer meio escondido, que ninguém mexe.

E para mamar? Aí qualquer lugar é lugar… tem muito banquinho do lado de fora para dar uma parada, e nada como tomar mamadeira dentro da White Tower. Começamos aí a aprender que parada para troca é até rápida, mas mamar levava pelo menos 30 minuto(as vezes bem mais que isto).

Chuva: na hora de sair, chovendo! Nesta hora a capa de chuva para carrinho de pagou bem… dureza foi que compramos um guarda-chuva gigantesco, e logo após receber o troco, a chuva parou – e depois tivemos que deixá-lo em Londres mesmo, que era grande demais para carregar na viagem. Mas mesmo não pegando mais chuva na viagem toda, foi bom perceber que a capa segura bem.

Também compramos uma sombrinha pequena, e esta foi muito usada na viagem toda, para proteger do sol forte, especialmente em Paris!

Informações

Entrada: 21 libras por pessoa a entrada – se estiver em 2, use o 2 for 1 que vale. Se for sozinho, pela internet sai um pouco mais barato.

Comida
Dentro do complexo tem uma lanchonete, perto de uma das saídas do rio – e também tem um restaurante em que você pega o que quer e paga… é meio bagunçado e cheio, mas foi bom para a primeira refeição de verdade ser um fish and chips (a esposa comeu um omelete e não estava tão bom). A surpresa: ficou até barato – especialmente sendo dentro da tower (12 libras/pessoa)

Tempo: levamos umas 5 horas para ver tudo, incluindo mamadas e trocas, então em uma manhã ou tarde dá para conhecer bem o lugar.

É imperdível a White Tower e as Crown Jewels, e para mim também e ver o ‘memorial’ no lugar das decapitações. Vale subir na bloody tower e, se conseguir entender, o tour parece muito bacana (do pouco que entendi, tinha algumas tiradas e histórias bem divertidas).

Outros: Ainda tem os corvos. Dizem que se os corvos forem embora, a monarquia cai. Só prá garantir, os corvos são criados com as penas cortadas e não conseguem voar. Também tem o Palácio Medieval e, para quem vai com crianças um pouco maiores, há algumas encenações e trilhas. Vimos um pouco da encenação enquanto a Isabeli mamava num banquinho e até ela achou divertido.

Compras: Mesmo quem não gosta de comprar se empolga nas lojinhas britânicas – e a da Torre é uma das melhores, sem dúvida. Basta ver que a filhota encontrou sua coroa

Sai Papparazzi, sai!

Ok, pode tirar uma fotinha…

Dali, é só sair perto do rio e seguir para a Tower Bridge.

Rumo a Ponte, de maneira bem londrina

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: