O dia seguinte

Depois de um jogo como este, o dia seguinte só podia ser de ressaca. E não deu outra: Madrid amanheceu uma segunda-feira com cara de feriado.

Cedinho fui conhecer o Palacio Real (não, os reis não moram ali). Claro que me perdi no caminho, mas depois de um tempo achei os jardins muito bonitos da entrada do palácio. Lá chegando, fui para a entrada e: “Fechado para atividades oficiais”. Que raio de atividade oficial seria essa? Depois de um tempo, descubro que os reis vão receber os jogadores! Claro, não é só o Lula que quer cumprimentar os campeões…

Palacio Real

Palacio Real

Seguindo então para a muito bonita Catedral de Almuneda(fica ao lado) e depois para os Campos de Moro, não sem antes comprar o ‘Marca’, dos grandes jornais esportivos da Espanha, em edição mega-especial. Campos de Moro é um jardim imenso que fica atrás do palácio, lindamente arborizado. Atrás deste jardim estavam armando o palco para a grande festa com os jogadores a noite.

O melhor dos parques é a sombra…

Este dia foi ao mesmo tempo o dia em que menos fiz algo e um dos mais proveitosos. Só ali pelos ‘Campos de Moro’ fiquei mais de 1 hora, lendo o jornal, enquanto o pessoal testava o som no palco na outra quadra – de vez em quando gritanodo “Campeoooones”, ou “Yo soy español, español, español”… festa é pouco prá explicar

Madri12

Almocei ali perto, onde experimentei a melhor sopa da vida: o gaspacho, que é uma sopa gelada, deliciosa e perfeita para aquela temperatura. Fui para o teleférico tentando entender qual seria o caminho, já que não há nenhum lugar mais alto na região – e realmente, o teleférico atravessa uns parques, mas não vai para nenhum morro. Então, a vista da travessia é mais interessante que a que se tem da parada dele. Mas para aproveitar, fiz como os locais e fiquei um tempinho deitado naquele gramado bom, lendo o resto do jornal.

Vista do teleférico

Vista do teleférico

 Dali, Templo de Debod – que é um templo egípcio inteiramente reconstruído em Madrid, algo totalmente diferente de se imaginar em um lugar daquele. Lógico que eu tinha visto errado a hora de funcionamento e estava fechado, mas tudo bem: ali tinha um chafariz enorme no fundo e o povo aproveitava o pequeno lago que formava para subir a perna da calça e se refrescar ali mesmo. Depois, caminho de volta ao Palacio Real, onde vejo os Jardines de Sabatini, com várias pequenas árvores e uma fonte com um bom pedaço de água no meio. Fiz como todo mundo: invadi os jardins do palacio, arranquei os tenis e devo ter passado uns bons 40 minutos por ali, só olhando pro tempo. Como nem tudo é perfeito, um casal de não sei que país, que estava por perto, comentou que enquanto descansavam, alguém roubou a bolsa da menina 😦

Bom lugar para refrescar

Bom lugar para refrescar

 

A rainha me deu tchau

 Conforme foi passando o dia, foi aumenando a quantidade de gente buzinando, gritando, saindo pelas ruas enfim… assim, segui meu caminho e este me levou à frente do Palacio Real novamente.  Enquanto seguia, começou a aparecer um monte de gente e foi se aglomerando ali mesmo. Óbvio que resolvi ficar   O tempo foi passando, a policia nos colocando cada vez mais longe de tudo, o burburinho aumentando, cada vez mais gente.. .até que começa a sair um monte de carros e de um deles saía uma mão dando tchauzinho! (que eu tenho em vídeo!!) O povo aplaudia tanto a rainha que percebe-se que realmente gostam dela. Até eu fiquei emocionado hahah   Logo após, passam 2 ônibus fechados, lotados com os jogadores – nem precisa falar que todo mundo (eu incluso) foi ao delírio! Esses 40 minutos esperando a rainha foram pagação de mico total, que eu jamais faria em casa – mas não me arrependo em absoluto – valeu a espera!

Comitiva real

Comitiva real

Recebendo os campeões

 Como a carreata estava marcada para acabar as 21h00, aproveitei para conhecer mais alguns pedaços do centro que ainda não conhecia, e ao final este último dia em Madrid, se por um lado foi um dia quase inútil, por outro foi também uma delicia! Mas o melhor estava por vir      Pelos cálculos, chegaria no hostel muito depois dos jogadores terem passado por ali – mas que nada… cheguei quase 9 e não havia espaço para caminhar. As ruas todas lotadas, as sacadas dos prédios tomadas –  e por ali fiquei com o povo quase 1 hora esperando. Como o pessoal nos prédios estava jogando água na gente na rua – e não era eguicho, não… o pessoal ia prá sacada e despejava baldes cheios – fui descendo a avenida. Mais ou menos 1 hora de espera até os jogadores apontarem lá looonge. E como subiam devagar, com todo mundo festejando feito loucos, nem aí pelo tempo.

Quando passaram ali perto foi aquela loucura completa, com os jogadores pulando nos caminhões, abaixando para dar as mãos a multidão, algo lindo de se ver. Até que um jogador(que depois descobri ser Piqué) pegou a taça e levantou! E ali consegui uma das melhores fotos que já tirei!

Los Campeones

Los Campeones

A Taça

A Taça

Anúncios

2 Respostas

  1. Eu estava em Amsterdã e torcendo pra Espanha é claro… tb curti o jogo, a chegada dos jogadores e sujeira absurda na manhã seguinte pelas ruas da cidade… Mesmo tendo perdido, os holandeses fizeram uma festa quando a seleção chegou…

  2. Puxa… Incrível hem… Presenciar a vitória de um País, pela primeira vez na copa, e ainda tirar uma foto dessas com a taça… É pra ser histórica… Parabéns pela sorte…Isso é pra poucos… hehehe
    Flws

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: